Conheça o pára-brisa do seu Peugeot

A História do Pára-brisa

Antes de 1910:
A fim de evitar os choques que poderiam ocorrer em caso de acidente, nenhum veículo era equipado com pára-brisa.

Entre 1910 e 1940:
Somente os pára-brisas, versão estratificada, equipariam os veículos. Em caso de choque, eles caíam diante do carro.

No fim dos anos 40:
Neste período, surgiram os primeiros pára-brisas em vidro temperado.
Em caso de choque, eles quebravam em mil pedaços. Esta é a razão pelo qual estes vidros são utilizados nas janelas laterais. Aparecem, enfim, os pára-brisas laminados formados de camadas alternadas de lâminas de vidro e policarbonato, garantindo uma melhor segurança. Dois vidros são reunidos e mantidos juntos através de uma camada de polibutiral de vinila, que é flexível e resistente à ruptura (PVB).
Em caso de choque, a camada em PVB mantém os fragmentos dos vidros juntos, assegurando a transparência do vidro. Sendo este vidro muito mais resistente, é obrigatório o uso de cinto de segurança. A Regulamentação
Depois de 1º de Janeiro de 1983, os pára-brisas em vidro temperado passaram a ser obrigatórios por razões de segurança.
Dentro do contexto das regulamentações, os testes padronizados são realizados sobre o pára-brisa para controlar:
» A visibilidade residual depois da ruptura do pára-brisa.
» A resistência da penetração de objetos.
» Resistência do choque da cabeça dos ocupantes.
» Resistência ao melhor ambiente e suas variações (temperatura, umidade etc.), assim como certos agentes químicos (produtos de limpeza, por exemplo).
» Atuação do ponto de vista (transmissão da luminosidade, limitação de deformação ou desdobramento de imagens dos objetos vistos através do pára-brisa).

Conserto ou troca? Como saber?
Os quatro tipos de impactos mais comuns são:
» Em estrela. » Em bolha. » Em 1/2 bolha. » Em bolha e estrela.

Os impactos ocorrem dentro do campo de visão do motorista. Se eles ultrapassarem 15 mm de diâmetro, ou se houver mais de dois impactos, é aconselhável a troca do pára-brisa.

Consertar seu pára-brisa é uma solução econômica
A reparação ou conserto de um pára-brisa é uma real economia para você, além de aumentar sua segurança. O conserto tem um custo inferior à troca completa do pára-brisa. Depois do conserto não resta nenhum traço do impacto. Método e procedimento: o método do conserto é simples, rápido e eficaz. A técnica consiste em injetar uma resina química dentro da região do impacto com ajuda de um aparelho especial. Em seguida, a resina é endurecida com ajuda de uma lâmpada ultra-violeta e, por fim, os resíduos são polidos com ajuda de uma massa especial.

Produtos
A qualidade dos consertos é garantida graças aos produtos utilizados e ao carinho da Rede Peugeot. As resinas utilizadas são de alta qualidade e permitem a durabilidade de seu conserto. Elas permitem o conserto de todos os tipos de vidros laminados: clássicos ou reflexivos aquecidos. 

Substituição do pára-brisa

Seu pára-brisa deverá ser trocado:
» Se o impacto for dentro do seu campo de visão.
» Se o corte do impacto for superior a 15 mm.
» Se o número de impactos for alto (superior a 2).
O trabalho deve ser realizado sempre por um profissional. O método de conserto é delicado, por isso é preferível recorrer a eles, que são habilitados para efetuarem os testes de homologação.
A Peugeot garante peças originais para sua segurança. Elas são submetidas a testes rigorosos para assegurar resistência aos choques.

http://carros.peugeot.com.br/

Esta entrada foi publicada em Dicas de Manutenção com as etiquetas , , , , . ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s